top of page

NOTÍCIAS DA ACE

Análise do Projeto BR 282 Segura e eficiente da FIESC


A BR 282 liga o litoral (na Grande Florianópolis) ao extremo Oeste, conectando-se com a BR 470 e cruzando a BR 116. Por isso, pode-se afirmar que é o tronco rodoviário principal de Santa Catarina, mesmo não tendo ao seu final, uma infraestrutura portuária. O fato de passar por um terreno altamente acidentado provocou o atraso de sua modernização porque sua construção se constitui dos custos por quilômetro mais alto para rodovias.


Entretanto, sua relevância econômica se torna inquestionável e se tornou público agora a campanha por sua duplicação e complementação, pois o trecho de Palhoça até Santo Amaro beira à improvisação, além da pista simples no trecho seguinte a torna improdutiva; e congestiona, a seguir, a BR 101. Assim sendo, já existia movimentação técnica no sentido de se construir o que leva o nome de Contorno de Santo Amaro e agora se torna público este a ser prolongado até a via Expressa em São José para aliviar a BR 101.


A ACE advoga a causa de prioridade máxima deste trecho Santo Amaro a Florianópolis já duplicado e que deva, inclusive, ser concluído antes das demais propostas, pois depois das que vêm abaixo, será um contrassenso para evitar de dizer, uma incoerência: se aumentar o fluxo na descida da Serra, a chegada no litoral se tornaria um caos no tráfego. A sequência de propostas implica em coerência para melhoria da segurança e da trafegabilidade, em especial, no trecho Águas Mornas a Alfredo Wagner.


Se propõe a duplicação Serra acima, mas as limitações orçamentárias nos fazem optar por implantar enquanto isto, uma série de terceiras faixas tanto nas subidas como nas descidas; a razão desta última está na baixa velocidade que veículos de carga têm que trafegar nas descidas. Um total de 70 km deste recurso já está orçado e previsto para executar. Agora, com este movimento de melhorias nesta via, se determinarão estes trechos dentro da possibilidade de arcar com os orçamentos dentro das disponibilidades orçamentárias a cada ano. Ainda se desconhecem quais trechos bem com quando se iniciarão as obras. Vejam o encontro no link abaixo.



100 visualizações3 comentários

3 Comments


Unknown member
Jul 09, 2021

Certo, Karina. Só fiz a análise no trecho de maior movimento e acidentes. Mas, a proposta é duplicar toda BR 282 porque seu tráfego só não é maior por causa das precárias condições, em especial, no Oeste e Extremo Oeste. Eu participo da Comissão de Logística e Transportes da FIESC e te garanto---e a todos catarinenses sofredores com as más condições em quase toda nossa malha rodoviária---que estamos pressionando tanto o governo estadual como o federal para também implantarmos a Ferrovia Leste Oeste (que abomino chamar do frango, porque muitos outros produtos passam e passarão), e entroncá-la com a Ferrovia Litorânea; neste caso, para ajudar a tirar a BR 101 do sufoco, também a navegação de Cabotagem, pelos nossos por…

Like

Unknown member
Jul 03, 2021

Deveriam vir até o extremo Oeste citado na descrição da rodovia para ver sua real situação. Aqui no oeste sim as reformas são mais do que urgentes! Trechos esburacados, pista simples em trechos de grande circulação de caminhões. Mas como sempre, só é visto o que está próximo da capital.

Like
Unknown member
Jul 09, 2021
Replying to

Já dei uma resposta geral. Acrescento que deveremos também ter atualizado o Plano Aeroviário do Estado de maneira a certificar (isto é, cobrar todas as medidas de segurança) todos os existentes e canalizar vôos a estes. O interior de nosso estado só não tem condições para o aquaviário.

Atrasados como estivemos sempre nas manutenções te digo que além da falta desta cultura técnica, se incentiva por causa que este serviço de engenharia é pouco sentido a não ser pelos usuários, pela falta; se o vai sentir porque a cada real não empregado em manutenção, se gastarão outros quatro reais na recuperação, sem falar no desconforto, perda de segurança e, em especial, em vidas tragadas.


Like
bottom of page